Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Novamente Geografando

Este blog organiza informação relacionada com Geografia... e pode ajudar alunos que às vezes andam por aí "desesperados"!

Novamente Geografando

Este blog organiza informação relacionada com Geografia... e pode ajudar alunos que às vezes andam por aí "desesperados"!

E se o talão de supermercado mostrasse quantas calorias estás a comprar?

Mäyjo, 19.03.16

E se o talão de supermercado mostrasse quantas calorias estás a comprar?

Designer britânico acredita que supermercados podem ajudar a resolver "epidemia da obesidade".

talao.png

Os recibos de supermercado deviam introduzir gráficos com informação nutricional para ajudar a resolver a "epidemia da obesidade". A proposta de Hayden Peek, designer britânico, passa pela utilização de cores semelhantes às que já são utilizadas em alguns alimentos. Os dados nutricionais estariam no sistema do supermercado e quando o utilizador fazia a compra podia ter no recibo uma visão das opções que fez: "Com esta informação, a complexidade da questão é desmontada e com um simples gráfico é possível ter uma ideia de quão saudável é a dieta", resume. 

 

"Imagine uma mãe que vai fazer compras para a família. E semana após semana, o talão do supermercado permanece vermelho. Por quanto tempo pode ela ignorar esta informação? Quanto tempo passará até ela entrar em acção e fazer algumas mudanças?", questiona o designer. 

 

Segundo dados disponibilizados por Hayden Peek, a Organização Mundial de Saúde prevê que 74% dos homens e 64% das mulheres no Reino Unido serão obesos em 2030. 

 

in: P3

LEVAR SACO PRÓPRIO QUANDO VAI ÀS COMPRAS PODE ALTERAR HÁBITOS DE CONSUMO

Mäyjo, 30.06.15

saco_SAPO

Levar o seu próprio saco quando vai às compras pode ter uma grande influência naquilo que compra. A conclusão é de um estudo da Universidade de Harvard que analisou os talões de compra de vários consumidores da Califórnia, Estados Unidos.

Uma Karmarkar e Bryan Bollinger, autores do estudo, concluíram – através da análise dos recibos de compra – que os consumidores que levavam o seu próprio saco reutilizável tinham uma maior tendência para comprar produtos orgânicos. Mas também tinham uma maior probabilidade de comprar pequenas gulodices, como bolachas ou gelado.

Os resultados do estudo ainda não foram oficialmente publicados, mas numa entrevista recente à Harvard Business Review, Uma Karmarkar desvendou algumas das conclusões da investigação. Embora não seja muito surpreendente que o uso de sacos reutilizáveis se correlacione com uma maior preferência por produtos biológicos, é curioso ver que esta acção está também associada a uma indulgência.

“Os consumidores dão a si próprios uma recompensa. Na psicologia do consumidor, a palavra ‘licenciamento’ é a chave. Se eu me portar bem numa situação, tenho licença para me portar mal noutra não relacionada. Investigações semelhantes foram já feitas com os hábitos alimentares saudáveis. Se compro um refrigerante light recompenso-me com um hambúrguer”, explica a investigadora, cita o TreeHugger.

Os dados da investigação revelam que em alguns casos o mesmo consumidor fez escolhas de compra diferentes dependendo ou não se levou saco reutilizável. Ao que os dados indicam, levar um saco reutilizável pode ser um lembrete para os consumidores comprarem produtos mais sustentáveis. “Uma acção verde conduz a uma outra acção mais amiga do ambiente”, sublinha a investigadora.

Karmarkar acredita ainda que à medida que o uso de sacos reutilizáveis se tornar mais comum, quer seja através da própria cultura ou de proibições, a sua associação com a compra de recompensas alimentares desaparecerá.

Internet evita ida ao supermercado

Mäyjo, 18.12.14

Em Evanston, no Illinois (EUA) basta usar a internet para enviar a lista das compras a uma empresa chamada Peabody LP e 90 minutos depois, no máximo, os produtos estão à porta.

Poupa-se tempo na deslocação ao supermercado, na procura das compras, nas filas das caixas e no final só se paga por este serviço 5% do valor da conta.

Os clientes podem escolher os artigos entre 20 000 catalogados por nomes, categoria, marca ou mesmo receita de cozinha.

As reclamações podem ser apresentadas por correio eletrónico.

Adaptado de Capital, 3 de Setembro de 1996

 

Como podem ver esta "novidade" já não é assim tão nova...